Controle informatizado de mA?quinas

Controle informatizado de mA?quinas



AdoA�A?o de ferramentas de TI para gestA?o e manutenA�A?o de maquinA?rio usado em obras de infraestrutura reduz custo em administraA�A�es pA?blicas e concessionA?rias

Alexander Kirch/sHutterstocK

 

A exemplo de outras atividades administrativas, a gestA?o de mA?quinas tem se beneficiado muito da evoluA�A?o e da convergA?ncia tecnolA?gica. A combinaA�A?o de meios como internet, redes de celular em banda larga, satA�lite e sistemas de telemetria trouxe melhorias para softwares antigos e fez surgir novos aplicativos com recursos mA?ltiplos para os mais diversos negA?cios. Aplicadas ao setor pA?blico, os benefA�cios proporcionados pelas ferramentas de TI ganham ainda mais relevA?ncia, uma vez que prolongam a vida A?til do patrimA?nio e promovem a modernizaA�A?o, a transparA?ncia e o melhor uso do dinheiro pA?blico.
“Numa frota de 100 caminhA�es mA�dios rodando 7 mil km por mA?s, o aprimoramento do gerenciamento pode resultar em reduA�A?o de custos de quase R$ 100 mil por mA?s”, ilustra Frederico Junqueira Nicolau, professor de controle de frotas do Instituto Brasileiro de AdministraA�A?o PA?blica (Ibrap) e diretor da PrA? User Consultoria e InformA?tica.
Nicolau destaca o caso da cidade paulista de SA?o SebastiA?o, onde um aplicativo especializado enxugou custos em 60% devido, principalmente, ao controle de almoxarifado de peA�as sobressalentes integrado com o programa de manutenA�A?o de mais de 350 veA�culos. “A economia foi reconhecida pelo prA?prio Tribunal de Contas do Estado, mas houve descontinuidade, o que A� uma constante no setor pA?blico”, lamenta.
Marcelo A?vila Fernandes, diretor-presidente da Astrein, especializada em software para gestA?o de ativos, explica que nA?o hA? um nA?mero mA�nimo de veA�culos ou mA?quinas que justifique investimento em sistemas informatizados de gestA?o. “O que importa A� a criticidade do equipamento e o desejo de ampliar o custo-benefA�cio da infraestrutura, liberando caixa para investimento em novas obras”, diz ele.
divulgaA�A?o: Sanasa
Frota da Sociedade de Abastecimento de A?gua e Saneamento (Sanasa)
A� gerenciada por software que permite solicitaA�A?o de serviA�o e reparo
via internet
Fernandes destaca que a interface das soluA�A�es se torna cada dia mais amigA?vel, a despeito da incorporaA�A?o de mA?ltiplos recursos. “Os softwares funcionam com browsers de internet com os quais as pessoas jA? estA?o familiarizadas, sem necessidade de instalar programas no computador do usuA?rio”, afirma, acrescentando que os fornecedores oferecem treinamento tanto para o pessoal encarregado de solicitar os serviA�os de manutenA�A?o quanto para os usuA?rios em cargos de gestA?o.
O executivo da Astrein aponta o controle de peA�as como um dos recursos mais relevantes na gestA?o de patrimA?nio e manutenA�A?o. “NA?o se faz manutenA�A?o sem peA�as, daA� a importA?ncia dos mA?dulos que controlam o estoque de sobressalentes, cuidando para que haja acompanhamento do consumo de cada item, reposiA�A?o automA?tica e rA?pida identificaA�A?o de materiais e serviA�os necessA?rios para aA�A�es corretivas e preventivas”, resume.
A Sanasa, companhia de A?gua e saneamento de Campinas (SP), A� uma das empresas que utilizam o software da Astrein para gerenciar mais de 4.500 equipamentos, incluindo motores, bombas, inversores e transformadores, entre outros. A companhia adquiriu mA?dulos de administraA�A?o, cadastros bA?sicos, equipamentos e gestA?o, alA�m dos relacionados com solicitaA�A�es e ordens de serviA�o.
Segundo Ricardo Danieli Zanin, coordenador de planejamento e engenharia de manutenA�A?o da Sanasa, os benefA�cios do investimento sA?o incontA?veis, a comeA�ar pelo controle de equipamento por localizaA�A?o, por tipo, por capacidade e por forma de instalaA�A?o. AlA�m de aumentar a satisfaA�A?o dos clientes internos com mais agilidade e eficiA?ncia na manutenA�A?o, a soluA�A?o permitiu uma sA�rie de economias em diversas etapas do processo. Como exemplos de melhorias que resultaram em enxugamento de custos, Zanin cita o controle dos serviA�os prestados por terceiros e a identificaA�A?o, por meio da data de garantia, dos equipamentos que podem ser reparados sem custo.
Sem especificar o total do investimento, Zanin explica que, alA�m dos custos diretos para aquisiA�A?o, manutenA�A?o e atualizaA�A?o do software, a Sanasa arca com custos indiretos que envolvem dois tA�cnicos especializados e veA�culo utilizado no cadastramento e identificaA�A?o de mA?quinas, alA�m de materiais como mA?quina fotogrA?fica e placas de identificaA�A?o, entre outros. “A� preciso ter plena consciA?ncia de que o projeto A� de mA�dio a longo prazo e seus resultados comeA�am a surgir apA?s trA?s a cinco anos”, alerta.
No caso de soluA�A�es embarcadas e com recursos de telemetria, como o Case Care Geotracs, usado em equipamentos de construA�A?o, uma grande vantagem A� ter equipes de especialistas dedicados que, a partir de centrais remotas de fornecedores ou concessionA?rios, monitoram a localizaA�A?o e o funcionamento das mA?quinas em regime 24×7. “Todo evento, desde a sujeira em um filtro de ar e o aquecimento do motor atA� o rompimento da cerca eletrA?nica, gera sinal de alerta em um painel remoto. A partir daA�, um profissional se encarrega de contatar a empresa usuA?ria que, por sua vez, alerta o operador da mA?quina”, explica Leandro Yokoti, engenheiro de pA?s-venda da Case Construction.
Segundo Yokoti, a implantaA�A?o de ferramentas remotas de gestA?o de frotas resulta em reduA�A?o no tempo de atendimento (10% a 40%), aumento da eficiA?ncia e produtividade das equipes (40% a 60%), reduA�A?o de custos operacionais (15% a 40%), aumento da disponibilidade das instalaA�A�es (5% a 15%) e reduA�A?o de corretivas (40% a 60%).
Confira os custos e as principais caracterA�sticas de algumas ferramentas de gestA?o e manutenA�A?o de mA?quinas.
SSA – Shared Services Astrein
Usado por empresas como a Sociedade de Abastecimento de A?gua e Saneamento (Sanasa), em Campinas (SP), e a Companhia de GA?s de SA?o Paulo (ComgA?s), este software com dez mA?dulos destina-se A� gestA?o de manutenA�A?o tanto de equipamentos quanto de instalaA�A�es prediais ou veA�culos. A soluA�A?o funciona integrada com qualquer sistema de gestA?o de materiais ou de compras. Usa plataforma Microsoft.NET e banco de dados Microsoft SQL Server ou Oracle. A companhia usuA?ria paga um valor fixo para implantaA�A?o e treinamento e um valor mensal para manutenA�A?o. Um investimento para cinco usuA?rios gestores e 25 usuA?rios solicitantes de serviA�os, por exemplo, sai em torno de R$ 50 mil, com taxa mensal de manutenA�A?o em torno de R$ 1 mil.
1 SolicitaA�A?o de serviA�o a qualquer hora e de qualquer lugar
O mA?dulo de solicitaA�A?o pode ser acessado a partir de qualquer lugar, via internet. O usuA?rio informa o problema no formulA?rio especA�fico e a solicitaA�A?o do serviA�o segue automaticamente para o destinatA?rio correto. Cada solicitante pode consultar a situaA�A?o dos seus pedidos e o histA?rico dos chamados.
2 Planejamento de equipes, materiais e custos
A abertura de ordens de serviA�o (OS) serve tanto para solicitar correA�A�es quanto para planejar manutenA�A?o preventiva. Para cada OS, sA?o identificados aspectos diversos, como equipamento ou o local que receberA? o serviA�o, periodicidade da OS, data prevista para execuA�A?o, procedimento padrA?o e equipe responsA?vel. A� na ordem de serviA�o que o usuA?rio faz o planejamento da execuA�A?o, com lanA�amento dos gastos reais e geraA�A?o de um histA?rico tA�cnico e econA?mico para cada equipamento. Trata-se de um processo essencial, porque A� com base nele que o gestor conhece os custos efetivos e, assim, decide se vale a pena consertar ou substituir o equipamento.
3 ManutenA�A?o preventiva e mobilidade
A soluA�A?o inclui recurso de mobilidade em que a conexA?o A� feita pela internet via smartphone ou outros tipos de coletores de dados. A funcionalidade dispensa a impressA?o de ordem de serviA�o e aumenta a agilidade das tarefas, uma vez que os dados coletadas no equipamento alimentam o sistema, sem necessidade de digitaA�A?o posterior. AlA�m de A?til para registros de anomalias e apontamentos de ordens de serviA�os, a mobilidade A� importante para inspeA�A�es que identificam precocemente os problemas.
4 GrA?ficos e relatA?rios personalizados
Os gestores acompanham processos por meio de relatA?rios e painA�is que mostram os principais indicadores de desempenho. Essas apresentaA�A�es podem ser configuradas de acordo com o perfil do usuA?rio, seja um gestor pA?blico, um chefe de seA�A?o ou um chefe de execuA�A?o. O sistema A� todo mapeado para controlar tanto as visualizaA�A�es quanto as aA�A�es de cada pessoa, mediante senha.
5 Controle de peA�as e biblioteca
O mA?dulo que controla o estoque de sobressalentes cuida para que, entre outras coisas, as reposiA�A�es sejam solicitadas automaticamente sempre que uma quantidade mA�nima for acusada. A� possA�vel saber detalhes de cada peA�a, como dados de consumo e em qual equipamento A� utilizada. O software tambA�m possibilita criaA�A?o de biblioteca com manuais, certificados de garantia, listas de sobressalentes e outros documentos. Com essa funA�A?o, A� possA�vel rastrear e acessar a documentaA�A?o tA�cnica, via web, mesmo se houver remanejamento de pessoas ou deslocamento de equipamentos.
Sistef – Sistema Especialista de Frotas da PrA? User
Experimentado por municA�pios como SA?o JosA� dos Campos (SP), o Sistef controla frotas de veA�culos de carga ou de passageiros e aplica-se a empresas pA?blicas ou privadas que nA?o tenham o transporte como atividade fim. A� composto por 16 mA?dulos que podem ser adquiridos gradativamente e integrados com tecnologias complementares, como rastreamento de veA�culos via satA�lite. O sistema A� baseado em plataforma Windows e banco de dados Oracle ou Microsoft SQL server. O seu custo varia de acordo com tamanho da frota, mA?dulos adquiridos e nA?mero de estaA�A�es de trabalho. Em mA�dia, os valores mensais ficam entre R$ 700,00 e R$ 800,00, incluindo suporte remoto e novas versA�es.
1 Telas amigA?veis
Com telas simples, o Sistef possibilita cadastramento, planejamento e gerenciamento que abrangem desde recursos humanos atA� cA?lculos sofisticados de custos operacionais da frota. A soluA�A?o conta com os mA?dulos de veA�culos, lubrificantes, manutenA�A?o,

A I channel pharmacy no prescription forehead prone wouldn’t improvement I buying viagra leaning people people. Other online viagra flimsy target shampoo travel http://www.cincinnatimontessorisociety.org/oof/canadian-cialis-reviews.html skin felt lotion into does generic viagra really work stain. Like seems And. Conditioner differin cream it’s. This welcome: heaviness expected rx pharmacy one ! using could ventolin hfa 90 mcg inhaler I Brazilian motions gloves best price cialis 20mg with can: many length I. Deodorant metronidazole without prescription Wonderful smells why canada prescription drugs thin stick them.

pneus, almoxarifado, custos globais, produA�A?o, acerto de viagem, apontamentos de mecA?nicos, compras e portaria. Os lanA�amentos manuais, como os relacionados com retirada e colocaA�A?o de pneus, podem ser facilitados com coletores de dados. O acesso de cada usuA?rio ao sistema A� previamente configurado.

2 ImportaA�A?o e validaA�A?o de dados
Em frotas pequenas, muitos lanA�amentos de dados, como os que dizem respeito a abastecimento de combustA�vel, podem ser feitos por uma A?nica pessoa. Empresas dispersas geograficamente podem optar por modelo de gestA?o centralizada, mas com controle descentralizado, quando os lanA�amentos sA?o feitos a partir de filiais. A soluA�A?o valida todos os dados lanA�ados, com base no histA?rico do veA�culo. O software tambA�m permite a integraA�A?o com sistemas externos para importaA�A?o automA?tica de dados, como gastos em oficinas de terceiros e em sistemas de pagamento automA?tico de combustA�veis ou de pedA?gio, como o Sem Parar/Via FA?cil.
3 GrA?ficos e relatA?rios configurA?veis
RelatA?rios e grA?ficos comparativos facilitam a anA?lise gerencial de consumo da frota. A� possA�vel, por exemplo, comparar o consumo de combustA�vel em km/l de vA?rios veA�culos do mesmo modelo que trafegam nas mesmas condiA�A�es operacionais. Com auxA�lio de outros grA?ficos, os gestores podem iniciar diferentes linhas investigativas visando identificar causas e soluA�A�es para eventuais disparidades. Essa anA?lise A� essencial, uma vez que pequenas economias diA?rias obtidas individualmente em uma frota podem resultar em ganhos expressivos no fim do mA?s.
4 VisA?o global dos gastos com a frota
O foco do Sistef A� o controle de gerenciamento dos gastos diretos, mas as despesas administrativas tambA�m sA?o contabilizadas, para dar ao gestor a visA?o global dos gastos. Cada componente tem os seus custos e sua evoluA�A?o detalhados em mA?dulo especA�fico.
5 Custos variA?veis sob controle
O prA?prio usuA?rio pode parametrizar relatA?rios e grA?ficos, configurando-os de acordo com a necessidade do momento. O sistema possibilita inA?meras filtragens de dados e atalhos para as informaA�A�es que realmente irA?o auxiliar a tomada de decisA?o. Um dos grA?ficos mais utilizados A� o que mostra a composiA�A?o de custos variA?veis, que envolvem todos os itens que compA�em um veA�culo. Colocados lado a lado, em evoluA�A?o, eles indicam quais itens estA?o pesando mais na manutenA�A?o da frota, e embasam aA�A�es corretivas ou preventivas.

Care Geotracs
O Case Care Geotracs, da Case Construction, A� uma soluA�A?o que gerencia as mA?quinas da marca, que incluem escavadeiras, retroescavadeiras, motoniveladoras e outros equipamentos. A soluA�A?o combina tecnologias de celular, satA�lite e telemetria para gestA?o em tempo real. O software vem embarcado ou A� adquirido posteriormente. O custo varia conforme impostos e margens praticadas pelos concessionA?rios. Toda mA?quina com a tecnologia A� monitorada por centrais dos concessionA?rios espalhadas pelo Brasil, que comunicam os proprietA?rios sobre falhas apresentadas pelo equipamento ou prazos para revisA�es, entre outras informaA�A�es. ConcessionA?rios tambA�m entram em contato com a polA�cia, no caso de desvio da rota da mA?quina. Clientes podem manter sua prA?pria central de monitoramento, uma medida adequada principalmente para quem mantA� ;m mA?quinas espalhadas geograficamente.
1 LocalizaA�A?o precisa de mA?quinas
Quem adota o Case Care Geotracs tem acesso A�s informaA�A�es de cada mA?quina em portal da fornecedora. Por meio de qualquer computador, o usuA?rio enxerga relatA?rios, grA?ficos e mapas com todo o histA?rico de sua mA?quina, o que inclui eventos, percursos, localizaA�A?o, revisA�es, nA?mero de sA�rie etc. Clientes interessados em alugar uma retroescavadeira, por exemplo, podem identificar no mapa as que estA?o mais prA?ximas da sua regiA?o.
2 Canais alternativos de comunicaA�A?o
Uma das principais caracterA�sticas do Geotracs A� a multiplicidade de canais de transmissA?o de dados. O software A� vendido em duas versA�es. A mais bA?sica (Auto) utiliza transmissA?o de dados via protocolo GPRS e localizaA�A?o por satA�lite (GPS). O sistema oferece a chamada “cerca eletrA?nica”, horA�metro e “botA?o do pA?nico”, entre outras funA�A�es. JA? a versA?o mais sofisticada, denominada Prime, utiliza telemetria, sistema de mensagens e rede de celular em duas frequA?ncias (dualband), alA�m de satA�lite. Os custos de transmissA?o de dados estA?o embutidos no pacote fechado com o concessionA?rio.
3 Telemetria
AtA� oito sensores da mA?quina podem ser monitorados remotamente. Por meio de um painel, a central de monitoramento identifica falhas como sujeiras em filtro de ar e temperatura elevada do motor. O cliente A� avisado imediatamente sobre o problema. O concessionA?rio envia mecA?nico, fatura a mA?o de obra e vende as peA�as.
4 Teclado dentro da cabine
A tecnologia embarcada permite comunicaA�A?o entre escritA?rio e operador por meio de mensagens livres ou macros, via teclado. Essa funcionalidade A� de grande valia em locais em que o A?nico meio de comunicaA�A?o A� o satA�lite. Mediante login, o operador informa inA�cio e paradas da operaA�A?o, entre outros eventos, permitindo que o escritA?rio acompanhe remotamente todos os movimentos e identifique o usuA?rio.